quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Medicina esportiva

ENTREVISTA: JOSÉ KAWAZOE LAZZOLI



Dublin (Irlanda) – Começam amanhã e vão até domingo, dia 23 de novembro, em Barcelona (Espanha) os trabalhos científicos do 30º Congresso Mundial de Medicina dos Esportes. O presidente eleito da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte e editor-chefe da Revista Brasileira de Medicina do Esporte, José Kawazoe Lazzoli, que estará presente ao evento, afirma, em entrevista, que a medicina do exercício e do esporte produz um conhecimento e uma assistência que beneficia todos os cidadãos, desde atletas de ponta a pacientes portadores de doenças crônicas. O cardiologista, membro da Câmara Técnica de Medicina Desportiva do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro, também alerta que são necessárias políticas públicas eficientes que promovam a prática dos exercícios físicos para todos os segmentos da sociedade. A partir de amanhã, o correspondente da Agência Notisa na Europa, Gustavo Oliveira, estará cobrindo, diretamente de Barcelona, o 30º Congresso Mundial de Medicina dos Esportes.




Notisa - Às vésperas do maior e principal congresso do mundo de medicina do esporte, que avaliação o senhor faz da especialidade?



José Lazzoli – A medicina do exercício e do esporte é uma especialidade em franco crescimento. Hoje, a população em geral está cada vez mais consciente de que a prática regular de exercícios é parte fundamental de qualquer estratégia de promoção da saúde. Indivíduos que praticam exercícios têm menor chance de desenvolver uma série de doenças crônicas, além de viverem mais e com melhor qualidade. Por outro lado, os atletas de alto rendimento têm à sua disposição técnicas cada vez mais sofisticadas para melhorarem o seu desempenho sem sacrificarem a sua saúde. E é por trabalharmos com todo esse espectro da população (atletas de alto rendimento num extremo, indivíduos comuns que praticam exercícios para manterem a saúde e indivíduos portadores de diversas doenças, que utilizam o exercício como parte importante do seu tratamento, no

outro extremo), utilizando um mesmo instrumento – o exercício físico – de forma individualizada, que podemos dizer que a medicina do exercício do esporte é uma especialidade única.



Notisa – Quais serão os principais assuntos discutidos ao longo do congresso? O senhor destacaria algum em particular?



José Lazzoli – Dentro da abrangência de assuntos que encontramos em um congresso de medicina do exercício e do esporte, eu destacaria, entre outros assuntos, (1) as estratégias para melhorar o desempenho de um atleta de elite, de forma limpa e saudável – nutrição e suplementos no esporte, fisiologia do exercício, controle anti-doping –, (2) as novas técnicas para prevenir e tratar lesões dos ossos, articulações e músculos, tanto de atletas de ponta quanto de praticantes de exercícios em caráter não-competitivo e (3) os novos grandes estudos populacionais que corroboram o uso clínico do exercício físico como componente fundamental do tratamento de uma vasta série de doenças cardiovasculares, respiratórias e metabólicas.



Notisa – Qual é a sua avaliação em torno da qualidade da produção científica na área de medicina do esporte, considerando os avanços já feitos e as atuais perspectivas?



José Lazzoli – O conhecimento médico avança de forma muito rápida em todas as especialidades e a medicina do exercício e do esporte não é exceção. É justamente a pesquisa que proporciona as novas técnicas, os novos tratamentos; é justamente a pesquisa clínica que permite que tenhamos tanta convicção com relação ao papel benéfico do exercício para a saúde. As perspectivas atuais caminham para uma medicina cada vez mais capaz de prevenir doenças preveníveis (minha redundância é proposital), pois diversos estudos nas últimas décadas já foram capazes de identificar as características (que nós chamamos de "fatores de risco") associadas ao surgimento de uma série de doenças crônicas. Estamos

avançando muito nas informações científicas que geram recursos que nos permitem reduzir as chances de desenvolver tais doenças, mas é necessário avançar mais na implementação de políticas de saúde pública que contemplem também a prática regular de exercícios pela população. Esta é, sem dúvida alguma, uma intervenção com uma relação custo/benefício extremamente interessante.



Notisa – Mais especificamente, nesse contexto, qual é sua opinião sobre a atual produção científica brasileira na área da medicina do esporte comparada ao nosso passado e aos países desenvolvidos?



José Lazzoli – Este aspecto fica muito claro quando debruçamos o nosso olhar sobre a Revista Brasileira de Medicina do Esporte, que é o órgão científico oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte. A RBME é hoje a revista científica mais importante dentro da especialidade na América Latina. O número de artigos originais, com dados de pesquisadores brasileiros, aumentou cerca de nove vezes nos últimos 11 anos. Quando comparamos nossa produção científica com os países desenvolvidos, principalmente com os países europeus e da América do Norte, talvez haja diferenças na disponibilidade de infra-estrutura – considerando-se a utilização ampla do termo –, mas os pesquisadores brasileiros da nossa área são muito capazes e criativos, com uma produção que qualitativamente pode ser comparada aos melhores centros de pesquisa do mundo.



Notisa – De que maneira a medicina do exercício e do esporte pode servir também ao indivíduo comum, que não pratica esporte?



José Lazzoli – Como já disse, a nossa especialidade lida não somente com o atleta de alto rendimento, cujo objetivo é melhorar o seu desempenho, mas também com o indivíduo comum, que pratica exercícios para aprimorar a sua saúde; e, além disso, com o indivíduo portador de alguma doença cardiovascular, metabólica, respiratória ou osteomioarticular, que apresenta limitações e que utiliza o exercício como instrumento de reabilitação e tratamento da sua doença, com a intenção de prolongar a sua vida, melhorando também a sua qualidade de vida. Como exemplos, podemos citar os portadores de doenças cardiovasculares, como a doença obstrutiva das artérias coronárias ou os portadores de insuficiência cardíaca (por dilatação do coração): esses indivíduos têm diversas limitações em seu dia-a-dia, muitas vezes sendo incapazes até mesmo de desempenhar

tarefas simples do cotidiano. Com a prática regular e supervisionada de exercícios, não somente aumentam a sua capacidade funcional, como também passam a ter menor possibilidade de uma morte prematura, conforme demonstram grandes pesquisas clínicas. É importante destacar que, nestes casos, o exercício sozinho não é nenhuma panacéia, mas é parte de uma estratégia traçada a critério médico, que contempla o uso de medicamentos de boa qualidade, uma alimentação correta e, naturalmente, a prática de exercícios sob orientação médica.



Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism
Postar um comentário