sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Jogadores de futebol estão mais propensos à desidratação



Estudo mostra que uma das causas é a falta de paradas regulares durante as partidas.

AGÊNCIA NOTISA – A hidratação é um fator de extrema importância no rendimento de qualquer atleta. No futebol, ela pode ser prejudicada por vários fatores. É o que mostra o estudo “Fatores que influenciam na hidratação de atletas de futebol”, publicado em junho do ano passado na revista Arquivos em movimentos.
Os autores, Fabio Benvenuti, Henry Schneck e Lili Niehues, explicam que a dimensão do campo e as regras atuais do futebol são fatores que não permitem uma otimização da reidratação, visto que não existe o tempo técnico, ou seja, os atletas correm quarenta e cinco minutos com a possibilidade de ingerir líquido somente quando existe parada para atendimento dentro do campo.
“Sem uma adequada ingestão de líquido durante o exercício, os atletas podem sofrer aumento da temperatura corporal e nos batimentos cardíacos. Essa desidratação acontece devido à necessidade que o organismo tem em manter a temperatura corporal próxima ao repouso, cerca de 37°C”, explicam.

Segundo eles, uma temperatura corporal mais alta que 41°C danifica as células e aos 42°C proteínas são coaguladas, resultando na morte da célula. “Existem vários mecanismos para eliminar o calor produzido pelo exercício, o mais importante deles é através da transpiração ou sudorese, que nada mais é do que a perda de líquidos através da pele, manobra que de certa forma age como válvula de escape para o calor”, contam.
O estudo também mostra que altas temperaturas (típicas no Brasil) associadas à alta umidade relativa do ar são fatores que promovem um desgaste maior – embora as taxas de suor variem de acordo com tamanho corporal, temperatura ambiente, umidade, aclimatização, sexo, idade, nível de treinamento e nível de glicogênio muscular.

“A perda de glicogênio muscular é a principal causa da perda do desempenho durante as partidas de futebol, principalmente no segundo tempo, onde há maior incidência de gols marcados e sofridos”, explicam. Por essa razão, eles aconselham que antes, durante e após os jogos e treinamentos os atletas façam a ingestão de carboidrato para manter os níveis glicêmicos altos, evitando assim o surgimento prematuro da fadiga.

Também é importante, segundo eles, a reposição de eletrólitos como sódio e potássio, já que a falta desses minerais está associada a câimbras nos jogadores. Os pesquisadores não recomendam a ingestão de água pura durante e após a partida, pois ela é um elemento pobre em energia e eletrólitos e irá retardar a reidratação.

“A ingestão de bebidas contendo carboidratos, bem como sódio e potássio, demonstra ser mais eficiente na recuperação de atletas de futebol bem como a não retardar o esvaziamento gástrico”, explicam.

O estudo também alerta para a importância do monitoramento constante do peso dos atletas. “Antes e após jogos e treinamentos, faz-se necessário que o atleta suba na balança para ser quantificada sua perda hídrica. É importante, também, prestar atenção aos sintomas físicos. Se a fadiga for acentuada, apresentando dores de cabeça, o atleta pode estar cronicamente desidratado”, explicam.

Os autores acreditam que é de grande relevância que os atletas tenham consciência da importância de estar sempre bem hidratados. “Para isso é necessária a atuação conjunta da comissão técnica com os departamentos de nutrição e médico, afim de educar os jogadores sobre as vantagens de uma boa hidratação”, concluem no artigo.

Agência Notisa (science journalism – jornalismo científico)
Postar um comentário